Tuna de Tabuaço - interpreta Viseu, Senhora da Beira

O ser humano desde que é homem civilizado e se organiza, vive em sociedade.

Sociedade é o elo de ligação e comunicação entre os homens, de modo que as diferentes sensibilidades entre todos, propicie uma harmonia e bem estar entre eles.

Existem as grandes sociedades civilizacionais, que são os estados ou países, e no plano interno destes, a dinâmica e vitalidade avalia-se pelo nível e estabilidade das pequenas colectividades específicas e grupos.

São estas que caracterizam as várias sensibilidades das populações, as organizam, e as estruturam com regras e valores que as solidificam, ensinando à qualidade de vida e bem estar, de forma que, vivam harmoniosamente no seu habitat e sempre adjuntos a este, tentando sempre preservar a sua cultura e transmiti-la fielmente aos seus vindouros.

Nas comunidades, existe a sociedade mais elementar, a família, depois sociedades organizadas e de suporte para a população, como as misericórdias ou a rede da saúde do estado, sociedades ou grupos direccionados aos indivíduos mais carentes que é o caso das diferentes instituições de solidaridade, umas para as famílias de risco, outras para os pobres, ou mesmo de apoio psicológico a pessoas com graves problemas.

E existem os grupos ou sociedades de índole recreativa mais pequenos, mas vitais e incentivadores da organização das populações com federações de índole cultural nas suas várias vertentes, ou estruturas e grupos de desporto, que na verdade, imprimem a todos, bem estar físico e mental, demarcando uma interligação saudável de relacionamento entre as pessoas.

Assim numa localidade ou concelho do interior, por mais pequeno que seja, a sociedade pode estar interligada através das "pequenas sociedades ou grupos". Uns no grupo coral e folclórico, outros no grupo coral e de natação, mais outros na banda musical e grupo de volei, enfim, uma sociedade dinâmica, onde cada elemento está empenhado e orgulhoso na sua tarefa comunitária de lazer.

Parabéns à comunidade de Tabuaço, que consegue criar toda uma dinâmica, que a identifica, a sensibiliza e enaltece, chamando para o seu habitat cultural personagens, alguns com talento impar a integrar a TUNA de TABUAÇO, símbolo cultural reconhecido do concelho de Tabuaço

Creio que assim Tabuaço, vai certamente sobreviver ao grande flagelo do momento: perda da identidade cultural consequente à desertificação humana do interior