Tardes de aldeia, em Freixinho Sernancelhe

Em cada esquina da cidade há um café, um restaurante, uma pastelaria...Local onde se dirigem as populações urbanas por vários motivos: para beber um café e tomar o pequeno almoço, abastecerem-se de de pão ou pasteis, até mesmo saborear uma bebida e petiscar uma refeição, porque as necessidades fisiológicas o exigem.

Os espaços assinalados são atraentes e sedutores, grande higiene, com traços de moderna engenharia, mas... sem alma, ou seja: os clientes entram e saem, fornecem-se ou tomam o seu café, e saem quase sempre stressados para as suas vidas rotineiras. É esta, a principal filosofia e função do café de cidade - quanto mais bem localizado, mais atraente e sedutor for, melhores modernices o bom cheiro oferecer, é para onde as massas populacionais se vão então deslocar.

O valor e interesse da taberna tradicional, muitas vezes com mercearia adjacente, e o café da aldeia são de extrema importância para o equilíbrio e sobretudo para uma salutar convivência entre conterrâneos e amigos.

São uma mais valia das populações das aldeias, que não sendo de modo algum um "espaço cultural", se identificam como principal local de conversas, debates, entretimentos como, o jogo das cartas ou assistir a programas televisivos.

É assim que se passam as tardes de Domingo, os intervalos do trabalho nas nossas aldeias do interior, sempre em ambiente agradável e com "toque" familiar.

E é aqui o ponto de encontro diário, onde as notícias locais e nacionais estão sempre em dia.
E é aqui onde se delineiam estratégias e acordos políticos; este ou aquele mostra o seu talento, como poeta, cantor, ou tocador de concertina, como o que aconteceu esta tarde à porta da Taberna da Srª Anunciação Tavares em Freixinho - Sernancelhe, em que apreciamos a exibição do Sr Agostinho da Ponte do Abade para mulheres da aldeia, enquanto seus maridos no interior, jogavam às cartas.

Convívios puros e saudáveis, da máxima importância ao equilíbrio psíquico e bem estar das populações locais.

Os ambientes são sempre acolhedores, não têm os luxos e as piquinhices dos bares e cafés citadinos, mas possuem algo invisível que seduz e atrai os amigos e conterrâneos - ALMA.