Festa vinhateira de Barcos, Tabuaço - 2014

Vale a pena assitir as estas iniciativas culturais.
Estes actores, e cantores, desempenham uma postura muito nobre e digna nesta sociedade, que é de louvar
Todo o espetáculo é cultura, um bem maior, manifestado através da música e dança. Uma forma distinta de assumir a cultura endógena do Douro, tão importante ao desenvolvimento da região.
A cultura dum povo é o símbolo do grau de desenvolvimento de uma sociedade.

É de louvar o excelente trabalho realizado pela aldeia vinhateira de Barcos na defesa da produção cultural: a festa vinhateira anual.

E esta festividade coincide com o periodo de colher as uvas de um ano de trabalho agreste mas gratificante.
A população do Douro é essencialmente viticultora, pessoas sensíveis, a cuidar das suas vinhas com afago. A chegarem ao ponto de conhecem as suas videiras uma por uma. Tratam os vinhedos, pela poda deixam os cachos de uva adequados, adubam o solo, e aplicam os pesticidas nos periodos adequados.

Uvas meticulosamente colhidas e separadas de acordo com as suas finalidades: vinho fino ou vinho de consumo.
O enólogo com o seu saber técnico aliado à cultura acumulada por várias gerações, deixa fermentar o mosto pelo período de tempo mais adequado.
Depois da fermentação, os vinhos fazem estágio em barris de Madeira ou cubas, e depois de pronto, serão engarrafados

O Douro é a referência nacional e internacional no panorama dos vinhos finos e de consumo, que permitem à região ser reconhecida pela qualidade destes nectares.
A atribuição a Barcos de Tabuaço como uma das "Aldeias Vinhateira do Douro" com todos estes eventos ligados ao vinho, contribui para dar ainda mais fama aos vinhos do Douro