Favaios, a festa vinhateira e os acordeonistas

A apanha da uva começa em Setembro.
Hoje usam-se as novas tecnologias que dispensam parte da mão de obra humana. Porém nalgumas Quintas as mesmas ainda são realizadas de forma tradicional, com intuito turístico.

Há alguns anos atràs, o grupo de pessoas destinado para uma certa Quinta, geralmente prometido dum ano para o outro, chamava-se "Rogas". E a acompanhá-los vinha o acordeonista para os animar no trabalho. Já o guadeiro fornecia água às vindimadeiras.

O corte das uvas prolongava-se desde o amanhecer até ao pôr do sol.
Durante a noite iam para o lagar pisar as uvas, ao toque do acordeon.
A apanha da uva era geralmente reservada às mulheres e jovens, cantarolando músicas do cancioneiro do Douro.

Os homens, esses, carregavam os cestos cheios de uvas, que chegavam a pesar 70 Kg, despejando-os nos lagares ou carros de bois, por vezes no cimo da encosta.
As refeições, cozinhadas por uma caseira, eram feita nos potes de ferro. A ementa, geralmente era caldo de feijão, massa e arroz de feijão e peixe frito.

A pernoitar, as mulheres dormiam na quinta em edifícios diferentes dos homens.
Quando terminavam as vindimas, toda esta gentinha oferecia um ramo ao patrão, adornado com uvas, rebuçados e fitas coloridas Este oferecia por fim, uma iguaria de filhós.
Apresento mais uma vez o grupo de concertinas de Riodades, divertindo a população de Favaios numa "moderna festa Vinhateira", cantando e tocando músicas do cancioneiro Português.