Ciclovia do Dão, um percurso completo de bicicleta

Ao percorrer os 48 Km da ciclovia do Dão em ida e volta de bicicleta vive-se o real trajecto da antiga linha férrea, afluindo constantemente à memória os nostálgicos sentimentos memorizados no subconsciente, a quem coabitou com este meio de transporte há poucas décadas atràs. Desde simples objectos sinalépticos até postes de telégrafo, aínda patentes a cada quilómetro, reinterpretamos continuamente a multiplicidade de vestígios com a redescoberta quando os mesmos ocupavam uma função vital no funcionamento da linha férrea.

Um passeio num mundo à parte, selvagem, contornado por bosques e montanhas, onde o nosso olhar flutua quilómetro a quilómetro, e o pensamento constantemente interage com o presente e pretérito, o próximo e o longínquo, o real e o imaginário, a compreenção diferenciada na procura de diferentes sensações ideias e percepções, para além da realidade. 

O longo passeio que, relaxadamente se percorre num dia, cria e interage com a na nossa estrutura mental, resultando a consequente imaginação individual a estabelecer uma relação de semelhança entre realidade e creatividade, o presente e passado comparativo e subentendido.

Um passeio onde nos afastamos por umas horas de compromissos e acordos, em que esta irrealidade, é uma faceta da realidade. Um encontro com o diferente e as circunstâncias adequadas à imaginação.

Assim, o relaxante passeio neste epopeico percurso do Séc. XIX, XX, representa para cada indivíduo no seu espírito, o cenário da sua imaginação, cultura, vivências anteriores, e para o intelectual de hoje, a libertação à pressão da sociedade contemporânea e a necessidade da pesquisa dos seus valores de referência e identidade.